Jornal do Lar Notícias

Exposição de Sebastião Salgado em basílica italiana alerta sobre ameaças à Amazônia

Celebridade 23/09/2019 às 14:50
Centenas de pessoas enfrentaram a chuva na noite de domingo para ver fotos da Amazônia feitas pelo aclamado fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado, expostas na Basílica de São Francisco de Assis, na região italiana da Úmbria, e ter a chance de ouvi-lo falar sobre as ameaças enfrentadas pela região.


Fotógrafo Sebastião Salgado em entrevista à Reuters 09/04/2013 REUTERS/Suzanne Plunkett

As imagens em preto e branco mostram povos nativos da Amazônia, enquanto músicas clássicas do compositor Heitor Villa-Lobos tocavam ao fundo, no que quase parecia um réquiem para as partes da Amazônia que já foram perdidas pelo desmatamento e pela mineração.

Dirigindo-se ao público, Salgado disse que aquele é “o modelo econômico predatório que está em todo lugar do mundo. Nosso sistema de agricultura, nosso sistema industrial, nosso sistema de consumo que causaram a destruição da Amazônia”.

O evento ocorreu na cidade de Assis na véspera de uma cúpula climática da Organização das Nações Unidas (ONU) e foi um de muitos ao redor do mundo para atrair atenção às mudanças climáticas e a outras questões ambientais.

São Francisco de Assis escreveu o Cântico do Irmão Sol, uma oração em louvor à criação que se refere ao irmão Sol e à irmã Lua e é uma referência para ambientalistas católicos e não católicos.

Salgado disse que tem trabalhado nesse projeto fotográfico ao longo dos últimos sete anos e viveu em meio a 12 tribos na Amazônia.

O fotógrafo afirmou que o presidente Jair Bolsonaro não pode ser completamente responsabilizado pela destruição da floresta amazônica, que começou há décadas, mas acusou Bolsonaro por políticas de exploração que, segundo o fotógrafo, aceleraram o processo.

Padres católicos da Amazônia devem se reunir no Vaticano no próximo mês para debater o futuro da Igreja na região. Salgado saudou o encontro e disse que os religiosos deveriam discutir formas de introduzir um modelo econômico duradouro para proteger a floresta tropical.

“Caso contrário, ela nunca será protegida. Nós vamos perder a floresta. Pode ser em 10 anos ou pode ser em 20 anos, mas vamos perdê-la”, disse.

Reportagem adicional de Oriana Boselli
Por Antonio Denti
Publicidade

Comente e Comentaram

Cadastre-se agora e receba as últimas notícias.

Digite seu E-mail abaixo.


Notícias Relacionadas